Chega de trabalho infantil

Rodrigo Barros
08/06/2017
Trabalho infantil é um tema que provoca muita discussão, mas toda criança deveria aproveitar a infância e não trabalhar nesse período da vida. Esse tipo de trabalho leva ao abandono da escola e pode prejudicar o desenvolvimento intelectual, além de privar da alegria da infância. O Ministério Público do Trabalho está fazendo um movimento de conscientização para dar um basta no trabalho infantil no Brasil e conta com o apoio da Associação Pernambucana de Shopping Centers (Apesce), que está veiculando imagens da campanha no seu site e nas redes sociais, da mesma forma que todos os shoppings associados.
Erradicar o trabalho infantil é uma dura tarefa em um país que ainda convive com muitos contrastes econômicos e sociais. É comum encontrar crianças e adolescentes em trabalhos diversos. O desafio de viabilizar o ingresso digno de jovens no mercado não é apenas das autoridades, mas de toda a sociedade. Pesquisa feita pela Fundação Abrinq, em 2016, mostra que cerca de 3,3 milhões de crianças e adolescentes brasileiros trabalham em condições precárias. A Organização Internacional do Trabalho (OIT) estima que 14,4% dos trabalhadores que atuam em atividades de alto risco no país têm idades entre 15 e 17 anos.
A campanha nacional #ChegadeTrabalhoInfantil conta com a participação voluntária de artistas e atletas, e divulga nas redes sociais a hashtag como forma de dar maior visibilidade.  O Dia Mundial e Nacional contra o Trabalho Infantil é 12 de junho, mas o compromisso da Apesce e dos shoppings associados é apoiar a campanha ao longo de todo o ano.

Ressonância magnética

Manoela Siqueira
30/05/17

Quando se pensa em exames de imagem que ajudam na detecção precoce do câncer de mama, a primeira opção que vem à mente é a mamografia. A ultrassonografia (ultrassom) das mamas também é outro exame bastante solicitado. Porém, a ressonância magnética, ainda pouco conhecida e utilizada, é um exame muito importante em caso de suspeita do câncer de mama.
Segundo a mastologista Alessandra Saraiva, que atende na Oncoclínica Recife, na zona central da cidade, o câncer de mama é a doença que mais mata mulheres no mundo. Segundo a ela, as chances de cura para esse tipo de doença são de 95%, quando diagnosticada precocemente. A médica aponta dois fatores prejudiciais em relação à detecção precoce da doença, que é o medo do diagnóstico, ou seja, muitas mulheres têm nódulos palpáveis e não procuram ajuda médica porque preferem se enganar ou esconder o fato; e, outro caso bastante comum é a sobrecarga de trabalho e a grande quantidade de atividades diárias na vida da mulher que, naturalmente, se descuida da atenção com a saúde.
Saraiva explica que toda mulher deve fazer a mamografia anual a partir dos 40 anos. “O exame deve ser complementado com o ultrassom das mamas. Caso a paciente tenha histórico familiar, implante mamário ou já tenha tido câncer, é recomendada a ressonância magnética”, informa a mastologista. Às vezes, segundo Alessandra Saraiva, o exame é solicitado também para verificar algum tipo de alteração na mamografia ou no ultrassom. A médica afirma que a ressonância com contraste é indicada apenas no caso de suspeita de câncer, uma vez que o uso do contraste melhora a qualidade da imagem, facilitando a precisão do diagnóstico.

Quando se pensa em exames de imagem que ajudam na detecção precoce do câncer de mama, a primeira opção que vem à mente é a mamografia. A ultrassonografia (ultrassom) das mamas também é outro exame bastante solicitado. Porém, a ressonância magnética, ainda pouco conhecida e utilizada, é um exame muito importante em caso de suspeita do câncer de mama.

Segundo a mastologista Alessandra Saraiva, que atende na Oncoclínica Recife, na zona central da cidade, o câncer de mama é a doença que mais mata mulheres no mundo. Segundo a ela, as chances de cura para esse tipo de doença são de 95%, quando diagnosticada precocemente. A médica aponta dois fatores prejudiciais em relação à detecção precoce da doença, que é o medo do diagnóstico, ou seja, muitas mulheres têm nódulos palpáveis e não procuram ajuda médica porque preferem se enganar ou esconder o fato; e, outro caso bastante comum é a sobrecarga de trabalho e a grande quantidade de atividades diárias na vida da mulher que, naturalmente, se descuida da atenção com a saúde.

Saraiva explica que toda mulher deve fazer a mamografia anual a partir dos 40 anos. “O exame deve ser complementado com o ultrassom das mamas. Caso a paciente tenha histórico familiar, implante mamário ou já tenha tido câncer, é recomendada a ressonância magnética”, informa a mastologista. Às vezes, segundo Alessandra Saraiva, o exame é solicitado também para verificar algum tipo de alteração na mamografia ou no ultrassom. A médica afirma que a ressonância com contraste é indicada apenas no caso de suspeita de câncer, uma vez que o uso do contraste melhora a qualidade da imagem, facilitando a precisão do diagnóstico.

Lixo que vira arte

Manoela Siqueira
25/05/17

O CFC, no Rosarinho, zona Norte do Recife, é um colégio de referência quando o assunto é sustentabilidade. Engajado na causa ambiental, o CFC possui diversos projetos na área, pois a equipe que compõe o colégio acredita na mudança de conceitos e nas atitudes em favor da preservação do meio ambiente, logo, incentiva as práticas sustentáveis. Por conta disso, o CFC vai promover, desta quinta-feira, 25 de maio, até 5 de junho, que é o Dia Mundial do Meio Ambiente, a exposição Lixo que vira arte, com peças assinadas pelo artista plástico Valmir Reginaldo da Silva, de Agrestina, município localizado no agreste de Pernambuco.

As obras, segundo Valmir Reginaldo da Silva, são feitas a partir de sucata e restos de peças de oficinas mecânicas, ou seja, de material que comumente iria para o lixo. O artista conta que a ideia de transformar lixo em arte surgiu de forma natural. “Na oficina mecânica de um amigo, um dia, recolhi restos de correntes de motos, levei pra casa, soldei e transformei as peças em um jacaré”, explicou. Ele afirma que os amigos ficaram surpresos com a quantidade de detalhes e com a beleza da peça. Foi então que Valmir abandonou a profissão de serralheiro para se dedicar exclusivamente à produção das peças, há 4 anos.

De acordo com Denise Paranhos, coordenadora dos Projetos Sustentáveis do CFC, o acervo da exposição vai contar com 14 peças, muitas delas grandiosas, como o personagem do filme Transformers, avaliado em R$ 12 mil reais e que durou cerca de 4 meses para ser produzido. A exposição acontece no ecoprédio Urbano Vitalino, uma das unidades do CFC, e será aberta ao público apenas no dia 5 de junho, com entrada de graça, das 8h às 17h. As peças, que também podem ser feitas sob encomenda, têm preços que variam de R$ 400 a R$ 12 mil.

Maio Amarelo

Mais uma vez, o CFC, que fica Rosarinho, zona Norte do Recife, aderiu à campanha Maio Amarelo, promovida pelo Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE), que alerta sobre os altos índices de acidentes e mortes no trânsito. A abertura do Maio Amarelo aconteceu na terça-feira, dia 2, para os alunos das turmas do 4º ao 7º ano. Uma equipe do Samu fez um alerta sobre os trotes, pois cerca de 80% das ligações que o serviço recebe são feitas por crianças e isso prejudica muito o trabalho deles. A equipe também fez uma demonstração de como fazer uma massagem cardíaca, que pode salvar vidas. O evento ainda contou com a participação da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), de uma equipe da Lei Seca e de uma vítima de acidente no trânsito. No dia 4, é a vez da Turma do Fom-Fom dar o recado de forma lúdica e divertida aos alunos.
O Detran-PE desenvolve campanhas educativas sistemáticas que fazem a população refletir sobre as leis do trânsito e o respeito à vida. Com o tema Segurança Viária, o CFC vai trabalhar ações pedagógicas com o objetivo de colaborar com o processo de estímulo à reflexão dos alunos sobre assuntos relacionados à legislação do trânsito, mobilidade urbana, respeito social e à vida.
Denise Paranhos, coordenadora dos Projetos Sustentáveis do colégio, explica que pensar sobre as questões do crescimento urbano e suas interferências no cotidiano, tanto no contexto ambiental, quanto cultural e social da cidade, é um ponto de fundamental importância para ser trabalhado junto aos alunos, principalmente diante de dados alarmantes apresentados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o número de mortes (1,3 milhões) por acidente de trânsito em 178 países, em 2014.
Segundo Paranhos, os problemas de mobilidade resultam também em problemas de segurança no trânsito e de saúde pública. “Desta forma, é possível afirmar que, apesar das modificações na legislação como o uso obrigatório do cinto de segurança, das cadeiras para criança, do uso do capacete, como também da proibição de dirigir alcoolizado e com excesso de velocidade, as medidas ainda não foram suficientes para erradicar os acidentes e mortes”, analisa. Por isso, ela acredita que valores éticos e morais, bem como o compromisso com a vida, são decorrentes de um processo de formação contínua, que só ocorre de forma eficiente e eficaz com a ajuda da instituição escolar, da família e dos órgãos governamentais.

Manoela Siqueira
04/05/17

Mais uma vez, o CFC, que fica Rosarinho, zona Norte do Recife, aderiu à campanha Maio Amarelo, promovida pelo Departamento Estadual de Trânsito de Pernambuco (Detran-PE), que alerta sobre os altos índices de acidentes e mortes no trânsito. A abertura do Maio Amarelo aconteceu na terça-feira, dia 2, para os alunos das turmas do 4º ao 7º ano. Uma equipe do Samu fez um alerta sobre os trotes, pois cerca de 80% das ligações que o serviço recebe são feitas por crianças e isso prejudica muito o trabalho deles. A equipe também fez uma demonstração de como fazer uma massagem cardíaca, que pode salvar vidas. O evento ainda contou com a participação da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE), de uma equipe da Lei Seca e de uma vítima de acidente no trânsito. No dia 4, é a vez da Turma do Fom-Fom dar o recado de forma lúdica e divertida aos alunos.

O Detran-PE desenvolve campanhas educativas sistemáticas que fazem a população refletir sobre as leis do trânsito e o respeito à vida. Com o tema Segurança Viária, o CFC vai trabalhar ações pedagógicas com o objetivo de colaborar com o processo de estímulo à reflexão dos alunos sobre assuntos relacionados à legislação do trânsito, mobilidade urbana, respeito social e à vida.

Denise Paranhos, coordenadora dos Projetos Sustentáveis do colégio, explica que pensar sobre as questões do crescimento urbano e suas interferências no cotidiano, tanto no contexto ambiental, quanto cultural e social da cidade, é um ponto de fundamental importância para ser trabalhado junto aos alunos, principalmente diante de dados alarmantes apresentados pela Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre o número de mortes (1,3 milhões) por acidente de trânsito em 178 países, em 2014.

Segundo Paranhos, os problemas de mobilidade resultam também em problemas de segurança no trânsito e de saúde pública. “Desta forma, é possível afirmar que, apesar das modificações na legislação como o uso obrigatório do cinto de segurança, das cadeiras para criança, do uso do capacete, como também da proibição de dirigir alcoolizado e com excesso de velocidade, as medidas ainda não foram suficientes para erradicar os acidentes e mortes”, analisa. Por isso, ela acredita que valores éticos e morais, bem como o compromisso com a vida, são decorrentes de um processo de formação contínua, que só ocorre de forma eficiente e eficaz com a ajuda da instituição escolar, da família e dos órgãos governamentais.

Projeto acadêmico ganha prêmio

Manoela Siqueira
24/04/17

A estudante universitária Carolina de Vasconcelos Peixoto, da Escola Politécnica de Pernambuco – Poli/UPE, foi a primeira colocada na categoria iniciação científica no curso de engenharia civil com o tema Avaliação da geração de resíduos durante a construção de edifício escolar verde no município de Recife – PE, durante a Mostra de Extensão, Inovação e Pesquisa Poli/UPE, sob a orientação da professora Stela Fucale, que é mãe de aluno do CFC.

Segundo Fucale, os trabalhos que foram avaliados pelo comitê científico da mostra, formado por professores da Poli dos diversos cursos e programas, receberam certificados de premiação como forma de homenagem à dedicação e à qualidade da produção dos autores. Para a professora, o estudo relacionado ao ecoprédio foi muito bem realizado e representado. “O ecoprédio do CFC é um universo muito rico em pesquisa, uma vez que a edificação preenche várias áreas da construção civil”, avaliou.