Alimentação

Manoela Siqueira

10/06/2015

A obesidade é uma doença que mata em média três milhões de pessoas por ano no mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS). No Brasil, as mortes são em torno de 80 mil. Entre os fatores que desencadeiam as mortes, os principais são a hipertensão arterial, o diabetes e o câncer.

Segundo a nutricionista Luciana Araújo, que atende na Oncoclínica, na Ilha do Leite, zona central do Recife,  o alerta principal é para as pessoas que abusam de carnes processadas como hamburguer, mortadela, presunto, salsicha e charque. “Esses alimentos possuem nitrato, substância que, quando ingerida constantemente, tem a capacidade de aumentar o risco de incidência do câncer”, avisa.

Luciana Araújo diz ainda que a carne preparada em churrascos também deve ser evitada. “A fumaça e o aquecimento prolongado do cozimento da carne aumenta a formação de substâncias potencialmente cancerígenas”, alerta a nutricionista, que ainda chama a atenção para as frituras. “Se for inevitável, a melhor opção é usar o óleo, pois a margarina é extremamente prejudicial à saúde. Muita gente não sabe, mas quando aquecida, a margarina produz uma substância altamente cancerígena, a acroleína”. A nutricionista reforça que o dueto alimentação saudável e exercício físico melhora a qualidade de vida do indivíduo e afasta o risco de várias doenças.

Entrevista

Manoela Siqueira

01/06/15

A cirurgiã dentista Rita Cavalcanti, especialista em estomatologia, que é uma especialidade da odontologia que tem como finalidade prevenir, diagnosticar e tratar as doenças que se manifestam ou repercutem na boca, participa nesta terça-feira, dia 2 de junho, do programa Consultório de Graça, na rádio Jornal AM 780, das 15h às 16h, com a apresentação da jornalista Graça Araújo. O programa, que vai abordar a importância da estomatologia no tratamento de doenças como o câncer, é ao vivo e conta com a participação dos ouvintes.

Rita Cavalcanti atua na Oncoclínica, na Ilha do Leite, zona central do Recife, e possui mestrado em diagnóstico bucal. “É preciso fazer uma prévia avaliação das condições gerais da boca do paciente e, a partir disso, avaliar a possibilidade de correção das condições bucais pré-existentes que tragam risco ao desenvolvimento de complicações orais ou sistêmicas ao paciente”, alerta. Rita ainda é doutora em Oncologia e habilitada em Laserterapia e Acupuntura.

“A mucosite oral é uma reação bastante comum aos pacientes que recebem determinadas terapias. Há também a possibilidade de infecções por fungos, vírus ou bactérias, bem como sangramento oral, relacionado à doença ou ao tratamento”, explica a dentista. Por isso, ela avisa que o preparo da boca do paciente é de fundamental importância para prevenir e controlar as manifestações. “Uma cárie, por exemplo, caso não seja tratada previamente, pode ser prejudicial à evolução do tratamento”, avalia.

Câncer de ovário

Manoela Siqueira

08/05/15

Nesta sexta-feira, 8 de maio, é o Dia Mundial de Combate ao Câncer de Ovário. A data tem como objetivo alertar e chamar a atenção da população feminina a observar os pequenos sinais que o corpo pode dar para diagnosticar precocemente eventuais doenças, entre elas, o câncer de ovário.

De acordo com o Instituto Nacional de Câncer, o Inca, o câncer de ovário atingiu cerca de 5.680 novos casos em 2014, com uma média de 3.027 mortes. Cerca de ¾ dos tumores neste órgão se apresentam em fase avançada quando diagnosticados.

Segundo Eduardo Inojosa, especialista da Oncoclínica Recife, localizada na Ilha do Leite, zona Central da cidade, a maioria das mulheres com câncer de ovário não apresenta sintomas até a doença atingir o estágio avançado. “É importante ficar atenta aos sinais característicos da doença como dores abdominais, aumento do volume do abdômen, presença de massa abdominal palpável, constipação e alteração na função digestiva”, informa o médico.

Inojosa avisa que a consulta regular ao ginecologista, o controle do peso, a prática de atividades físicas e uma alimentação saudável são medidas que podem ajudar a evitar o tumor. Estudos comprovam que uma relação entre obesidade e alto consumo de gordura com o câncer de ovário propicia maior chance de desenvolver a doença.

Combate ao Câncer

Manoela Siqueira

08/04/15

A Organização Mundial da Saúde – OMS – determinou que o Dia Mundial de Combate ao Câncer, comemorado todos os anos em 8 de abril, deve servir para ajudar na prevenção e disseminação das informações sobre o câncer. O objetivo é chamar a atenção dos países, líderes governamentais e dos indivíduos em geral para a importância da discussão dessa doença que está, cada vez mais, atingindo índices elevados de incidência.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer – Inca -, essa é a segunda maior causa de mortes no Brasil. Entre os tumores que mais matam estão os de mama, estômago e próstata. Geralmente, as mortes ocorrem por falta de informação, desinteresse da população e, sobretudo, falta de conscientização sobre a importância de um diagnóstico precoce.

Segundo o médico Rossano Araújo, da Oncoclínica, na Ilha do Leite, no Recife, o hábito de vida das pessoas que mantêm uma dieta rica em gorduras, que provoca a obesidade, aliado à falta de exercícios físicos, fatores ambientais e predisposição genética são elementos fundamentais para o desenvolvimento da doença. “O câncer pode atingir qualquer pessoa, independente de cor, idade ou sexo e também qualquer órgão do corpo humano. Por isso é muito importante que as pessoas pratiquem hábitos saudáveis fortalecendo o organismo”, ressalta.

O Inca informa que em 2014, cerca de 576 mil brasileiros foram vítimas da doença. Para 2015, a estimativa é que este número aumente drasticamente. Rossano Araújo avisa que a prevenção ainda é a melhor opção para evitar a doença. O médico alerta para dois tipos de prevenção: a primária e a secundária. “A primeira é a mudança dos hábitos pessoais com o objetivo de reduzir a influência dos fatores causadores da doença. A segunda destaca o diagnóstico precoce, partindo do pressuposto de que quanto antes for identificado o câncer, maior é a chance de cura”. Ele explica que se a doença for diagnosticada em fase inicial, a chance de cura pode chegar a até 70%.

Câncer de rim

Manoela Siqueira

12/03/15

O Dia Mundial do Rim é comemorado nesta quinta-feira 12. A data sempre é celebrada na segunda quinta-feira de março. Segundo a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN), o tema da campanha deste ano é Rins Saudáveis. A data surgiu em 2005, criada pela Sociedade Mundial de Nefrologia, diante do aumento de doenças renais, com o objetivo de conscientizar a população sobre a importância da prevenção e do tratamento das doenças relacionadas aos rins.

De acordo com a SBN, no Brasil, cerca de 18 milhões de pessoas sofrem de doenças renais crônicas, 60 mil brasileiros fazem diálise e 25 mil foram submetidos recentemente a transplante renal. A médica Liliane Chousinho, da Oncoclínica, no Recife, alerta que, diferente de outros tipos de câncer, como o de mama e o de útero, que podem ser prevenidos ou diagnosticados com exames específicos, a estratégia preventiva para o câncer renal é outra. “Não fumar, não engordar, ter uma dieta rica em frutas, fibras e vegetais, praticar exercícios físicos e controlar a pressão arterial nos hipertensos é a forma mais eficaz de prevenir  donça”, explica a médica.

Segundo ela, na fase inicial, o câncer de rim não costuma ter sintomas, o que dificulta ainda mais o diagnóstico precoce. Mas deve-se procurar um especialista quando houver sangue na urina, dor abdominal ou na lombar. O diagnóstico geralmente é feito por meio do exame de ultrassom e, se encontrado algum nódulo, é recomendada a tomografia computadorizada. “A cintilografia óssea deve ser utilizada para a avaliação de metástases ósseas. O tratamento deve ser feito de acordo com o estado do tumor. Em alguns casos, é feita a retirada total ou parcial do rim”, ressalta Chousinho. A quimioterapia e a radioterapia apresentam pouca resposta e o tratamento mais adequado é a imunoterapia, que, em contrapartida, apresenta um alto índice de toxidade.